Show de horrores

Abri o Google hoje para procurar sobre trend topics do Twitter e me deparei com: #bolsonaronojn. Já sabia que havia dado o que falar, mas como venho me abstendo de falar sobre política, não procurei assistir todo o show de horrores.

Não me vejo na obrigação de falar não sobre o candidato, mas das pessoas que o seguem e o defendem. Vejo pessoas do bem, se degladiando contra e a favor e isso vem me assustado um pouco. Vejo mulheres instruídas defendendo a sua forma de pensar. Vejo negros, gays, acreditando em propostas que não os incluí. Vejo minorias aceitando continuar minoria.

Como poderemos eleger um candidato que pensa exclusivamente em armar a população? Sei que precisamos de segurança, mas também precisamos pensar que, se essa mesma população não for educada para ser armada, viveremos em um faroeste. E o que me assusta, de verdade, é ver famílias inteiras acreditando que sim, essa é a solução.

Como poderemos eleger um candidato, que acredita fielmente que a mulher deva ganhar menos pois pode sair de licença. Como podemos exigir nossos direitos e votar em um homem que acredita que somos inferiores?

Como poderemos eleger um candidato que não tem formação nenhuma como gestor público?

Os eleitores não querem solução, querem um arma no coldre para fazer justiça com as próprias mãos. Mas o que faremos quando os hospitais não tiverem leito suficiente para atender o vizinho que foi baleado por estacionar na vaga errada? O que faremos quando não conseguirmos salvar a criança que foi brincar com a arma do pai? O que faremos minha gente?

Hoje, infelizmente sinto que este senhor será eleito. Não sinto medo por receber menos salário, nem por direitos que não serão defendidos. Sinto medo, por todo esse ódio que está sendo liberado e justificado.

Parece que a estamos perdendo a guerra contra o mal, e não estamos falando de dívida externa ou juros altos, estamos falando sobre ódio exalado. E nesse caso vem com a Bíblia na mão e diz que tudo isso é para defender a família.

Cristiane Dias da Silva


O Aponte não se responsabiliza pela opinião de seus colunistas. A seção de opinião é feita de forma voluntária pelos colaboradores do portal e expressam a opinião pessoal deles – que não necessariamente é a do Aponte.