A Via Solidária

Então é Natal? E o que você fez? Eu sei o que eu fiz. Fui um pára-raio para a solidariedade. Eu sei o que você fez. Você me ajudou, me estendeu a mão e, mais importante, fez a diferença para minha família. Você fez. Você… Meu parente, meu amigo, meu colega. Você que nem me conhece.

Creia em mim, por favor, quando digo que sou grato.
Creia em mim, por favor, quando digo que a posição de receber solidariedade não é confortável.

Ser solidário é, infinitamente, a posição humana mais gratificante que se pode viver. É, infinitamente, a mais dignificante.

Receber solidariedade, por outro lado, não significa estar em situação indigna ou ultrajante. É um aprendizado. Uma lição de humildade. Uma lembrança de que não estamos(não completamente, pelo menos) no controle das coisas.

Ser alvo de solidariedade é uma oportunidade de ser melhor. Uma oportunidade de ajudar os outros a exercitarem o seu melhor. A oportunidade de sermos, você e eu, humanos, no melhor sentido da palavra.
Que bom se pude colaborar para nossa evolução pessoal mas, sinceramente, tomara que eu possa, nesta próxima etapa, voltar a estar do outro lado da Via Solidária.
Creia em mim quando digo que causa menos ansiedade…

Não é indigno ser pára-raio da solidariedade, mas torço, mesmo assim, poder voltar a eu mesmo relampeja-la.

Um outro ano termina. E outro já logo vem.

Luciano Reis


O Aponte não se responsabiliza pela opinião de seus colunistas. A seção de opinião é feita de forma voluntária pelos colaboradores do portal e expressam a opinião pessoal deles – que não necessariamente é a do Aponte.